terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Prédio públicos de Cravinhos não têm acessibilidade para deficientes físicos.

É lei federal, a lei  10.098 de 19 de dezembro de 2000, é clara e nos diz em seu artigo 11:
"Art. 11. A construção, ampliação ou reforma de edifícios públicos ou privados destinados ao uso coletivo deverão ser executadas de modo que sejam ou se tornem acessíveis às pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida." O mínimo que o município deve fazer é providenciar as alterações necessárias para se enquadrar na lei. Pelo jeito não é isso que vem acontecendo."
Análise de caso.
O cidadão cravinhense Alexandre Ferreira Teixeira, cadeirante, ao tentar ter acesso em um prédio público notou que o mesmo não estava adaptado para pessoas como ele. Reclamou. No seu mais digno direito de cidadão. E não foi atendido. Indignado procurou o jornal da cidade para tornar o caso públio. E... pasmem: o Jornal A Tribuna Regional de Cravinhos não quis publicar o fato. O cidadão, indignado, insistiu e para ver um relato dos mais expressivos, o que todos, inclusive o poder público, deveria saber teve que pagar para dar publicidade ao fato. E finalmente, mediante pagamento, foi publicado na edição do dia 10 de dezembro.
É, simplesmente, o cúmulo da não prestação de serviço. Isso vem deixar claro, mais um vez entre tantas outras, que nosso único jornal impresso é realmente um instrumento do poder público municipal. 
Sonho com um mundo inclusivo, onde todos possam ter acesso a todos os locais de uma cidade. Isso é o mínimo que um cidadão cadeirante pode requerer. E o jornal não deu essa oportunidade gratuitamente. 
Espero que nunca um integrante familiar do jornal, ou ainda funcionários e amigos, possam um dia tornar-se cadeirante. Mas, se essa fatalidade acontecer, com certeza eles sentirão na pele o que é não ter acessiblidade.
O jornal, pelo que se nota, é um veículo capitalista a serviço de um governo que pode patrociná-lo. Nada de cidadania, nada daquela imprensa envovida com questões sociais.  Nem mesmo um resquício rudimentar de ética. 
Abaixo o documento que comprava o pagamento de 200 reais para ser publicado um fato de extrema relevância e ser um instrumento de cidadania.
Eu, como representante do povo de Cravinhos, manifesto minha mais alta indignação. 
Caros cidadãos, usem esse blog para reinvindicar. Aqui você tem vez e voz. Existe um ser humano que se preocupa de fato com suas necessidades.         

10 comentários:

  1. Esse foi um verdadeiro furo de reportagem.
    Parabéns vereador. Esse blog sim é uma boa fonte de informações.

    ResponderExcluir
  2. Esse jornal de Cravinhos está há 27 anos sendo comprado pelos governantes. Nas páginas do jornal só vemos coisas boas e fotos do prefeito, parece até que a cidade não tem problema, chega a ser até engraçado. Não tem contraponto, só se publica o que o prefeito quer.
    Pagou publicou.

    ResponderExcluir
  3. P...mer... que jornal mais desgraçado. Não tá nem aí com as causa dos cadeirantes.

    ResponderExcluir
  4. ALEXANDRE FERREIRA TEIXEIRA21 de dezembro de 2011 14:05

    Agradeço a todos pela atenção e deixo bem claro q "O UNICO CADEIRANTE QUE VAI NAS SESÕES DA CAMARA"; frase essa dita pelo presidente da camara.
    acredito que se houvesse acessibilidade como deve ser e como a LEI manda mais pessoas com alguma DEFICIENCIA FISICA poderiam comparecer as sessoes da camara e cobrar dos nossos representantes. E CADEIRANTE TAMBEM É UM CIDADAO E TAMBEM VOTA.

    ResponderExcluir
  5. A minha crítica ao jornal tribuna de Cravinhos, deve ter o dever moral em prestar serviço de utilidade pública, esse jornal teve a coragem de cobrar de uma matéria de um leitor deficiente físico sobre o absurdo que e presidente da câmara municipal de Cravinhos à qual deu resposta agressiva e sem postura, o cadeirante reclamava dos seus direitos de ir e vir à qual a câmara não quer resolver o problema da rampa para que ele tenha o mesmo direito.

    ResponderExcluir
  6. Fico impressionado tando com o presidente da Câmara como com o Jornal.
    Parece piada que em pleno século XXI temos legisladores e donos de jornais que se posicionam dessa forma com os cidadãos.
    A resposta virá nas urnas, para o presidente da Câmara. Quando ao jornal, bom esse nunca teve credibilidade, agora menos ainda. É como já disseram acima,um veículo de comunicação capitalista bancado pelo poder público. Seus donos devem viver de joelhos e de cabeça baixa, não têm dignidade pra nada, não é referência em nenhum aspectos.

    ResponderExcluir
  7. Gabriel Verardo Loures4 de janeiro de 2012 15:37

    Gabriel Verardo Loures - Presidente da Câmara Municipal de São João Nepomuceno - MG.

    Assumi a Presidência da Câmara há dois dias (01/01/2012)com o expresso compromisso de construir um elevador para a Casa Legislativa, inaugurada hà dois anos e meio, com recursos públicos (evidente)onde não tiveram a menor preocupação com a acessibilidade, uma vez que o prédio tem 03 andares e pasmem, os gabinetes dos vereadores ficam no 2º andar via escada.
    Perdoe-me o engenheiro que elaborou o projeto arquitetônico e acompanhou toda a obra, sendo que faltou-lhe não só sensibilidade mas conhecimento técnico (Lei federal 20.098 de 19 de dezembro de 2000 - artigo 11) inviabilizando até hoje a possibilidade de uma pessoa portadora dessa necessidade utilizar humanamente seus direitos constitucionais de ir e vir!!! Lamentável mas vamos corrigir como ação prioritária.

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo legislador em Minas Gerais, temos que lutar constantemente pela acessibilidade, pois que é um direito. Adaptar prédios é uma questão legal e não um favor, nossa luta é para que o Brasil se torne um país humano e inclusivo.
    Obrigado pelo comentário.
    Com altas considerações, Marco Antônio Capecci Ribeiro.

    ResponderExcluir
  9. Caso ninguém saiba este jornal so sobrevive porque o poder publico o mantem pois o mesmo não consegue andar com suas próprias pernas é um verdadeiro caderante pois ele se parece com um cachorrinho ensinado faz tudo que o seu dono "poder púbico" manda tipo "deita e ele deita", "late e ele late"... é assim que funciona o jornal desta cidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. interessante mas isso tudo seria ótimo se a população tbm enxergasse assim mas o povo de cravinhos parece q esta ipinotizado e não quer ver a verdadeira realidade .. mas adorei seu comentario ...

      Excluir